CIONET DIVULGA CONCLUSÕES DO ENCONTRO DE DEMAND MANAGEMENT

CIONET DIVULGA CONCLUSÕES DO ENCONTRO DE DEMAND MANAGEMENT

No evento de Demand Management, foram discutidas as melhor práticas a nível de gestão e avaliação de benefícios/riscos em projetos de IT, a importância de interligar arquiteturas e frameworks com melhores práticas de gestão da procura e também a importância do alinhamento das TIs com os objetivos do negócio, quer no sector das telecomunicações, quer no sector da banca

A CIONET, a maior comunidade de executivos de TI na Europa, realizou o evento Demand Management, no passado dia 29 de Abril na sala VIP das Estradas de Portugal, que contou com a presença de vários CIOs da rede, bem como com o apoio dos parceiros de negócio da CIONET, OutSystems, HP e NOS. Os principais temas abordados no debate centraram-se em torno de temas como a perspetiva empresarial da gestão da procura, a relação entre a gestão da procura e a gestão de benefícios, a interligação entre gestão da procura e arquitetura da empresa, sobre os fatores de sucesso para implementar e desenvolver as práticas de gestão da procura e também sobre as melhores práticas de integração entre gestão da procura e gestão de fornecedores.

Madalena Talone, Head of IT – Software Development no BPI, apontou como principal desafio entre a gestão da procura e o negócio o facto de os pedidos de negócio entrarem em concorrência interna uns com os outros, como por exemplo, a concorrência que ocorre entre a gestão do risco associado ao crédito com a gestão de recursos humanos da empresa. Para atenuar esta realidade, Madalena Talone acentua a importância de alinhar as equipas com as principais áreas de negócio da empresa, bem como a adoção de um nível de decisão adequado dentro de cada pedido e pedidos com entregas faseadas que permitam obter uma visão incremental do pedido e facilitar o processo de mediação entre gestores de procura e gestores responsáveis pelo negócio.

Por outro lado, João Pombinho, Head of Business Partnership Management na NOS, salientou a importância de utilizar arquiteturas para modelar as boas práticas, e de garantir que todo o processo está alinhado com a procura dos benefícios. Acrescentou ainda a importância de não ter uma visão isolada e procurar sempre o enquadramento estratégico com o negócio, não perdendo de vista uma definição de benefício projeto a projeto, a segregação rigorosa dos elementos que têm impacto em P&L e os que não têm, bem como a determinação da rede de valor que está em causa com a preocupação de perceber e modelar o problema em primeiro lugar.

Miguel Mira da Silva, IS Professor no IST/INESC, reforçou o aspeto de que as frameworks em geral, (ITIL, COBIT, etc) estão muito incompletas e algumas vezes mal feitas. Salientou ainda a necessidade de integração das várias frameworks, por forma a obter a melhor arquitetura possível.

“Quando o CIO não é envolvido no negócio, em poucos anos terá que abandonar a organização. Os CIOs devem compreender o negócio e transformá-lo.”, rematou Rui Serapicos, o Managing Partner da CIONET.